POSTO DE ESCUTA Paper Trails

Ele move-se na sombra do mediatismo mais pomposo, mas o que é certo é que poucos artesãos da electrónica terão tido agenda mais preenchida do que Nicolas Jaar, seja na promoção da sua própria música, seja nos inúmeros serviços paralelos que levou a cabo nos últimos anos. Esse voluntarismo permitiu-lhe o contacto com músicos de origens várias, entre eles o guitarrista Dave Harrington com quem formou o conceito Darkside, inaugurado em EP, há sensivelmente dois anos. Já este ano, a parelha - pontualmente rebaptizada Daftside - remisturou (apressadamente) o álbum Random Access Memories, dos Daft Punk, num exercício de puro hedonismo electrónico que passou quase despercebido, mergulhado nas suas próprias bizarrias, mas que lançou premissas conceptuais para o que haveria de seguir-se. Psychic, a verdadeira estreia no formato longa-duração, é a sequência criativa mais ou menos lógica da convergência de ideias entre dois músicos de universos aparentemente díspares.

 

De um lado, está o sentido melódico levitante de Jaar, feito de notas esparsas e percussões tímidas, em tangências com a electrónica ambiental minimalista; do outro, a orgânica jazz-blues de Harrington e a presença fantasmática da ciência do rock clássico. Talvez por isso, numa declaração recente, Jaar tenha dito que este é o seu disco rock'n'roll. A afirmação é naturalmente hiperbólica: Jaar não é e jamais será um músico rock'n'roll, conquanto se faça óbvia a ingerência rock na habitual texturação minuciosa dos trechos, sobretudo pelos astutos pontilhados de guitarra. Em rigor, são até esses inputs que revigoram o exotismo espacial (futurista?) de Jaar, somando-lhe o risco da mundanidade para "prender" o ouvinte. A subtileza da mistura anuncia alguma estranheza no primeiro contacto, é certo, mas acaba por revelar-se, atrás da complexidade orgânica, uma experiência de tensos ambientes nocturnais e de exploração cósmica, um magnífico mutante de sons flutuantes. Psíquico, sem dúvida.

Outubro 9, 2013

Darkside Psychic

Matador/Other People, 2013

8,4/10